Mapa do Site

Facebook

Notícias

Aconseg-RJ manifesta pesar pelo falecimento de Gumercindo Rocha Filho, presidente do IBRACOR

December 9, 2019

1/10
Please reload

Acompanhe nossa página no Facebook!

ACONSEG-RJ - Associação das Empresas de Assessoria e Consultoria de Seguros do Rio de Janeiro

Rua do Rosário, 61 | sala 202/203 | Centro, Rio de Janeiro, RJ | Cep: 20041-003

Desenvolvido por:

Em 5 anos, seguradoras podem obter US$ 375 bilhões em novas receitas

19/10/2018

 

Companhias que transformam seus negócios e modelos operacionais conseguirão aproveitar oportunidades emergentes de crescimento e ultrapassar seus concorrentes

 

Seguradoras do mundo todo podem obter US$ 375 bilhões em novas receitas ao longo dos próximos cinco anos por meio da transformação e revitalização de seus negócios, segundo estudo da Accenture. O documento “Insurance as a Living Business” conclui que as seguradoras que inovam continuamente e se adaptam às mudanças nas necessidades dos clientes conseguirão aproveitar oportunidades emergentes de crescimento e ultrapassar seus concorrentes.

 

A pesquisa estima que essas seguradoras poderiam, juntas, gerar US$ 177 bilhões adicionais em receitas relacionadas a cinco áreas principais: riscos emergentes como cibersegurança e veículos autônomos; melhor penetração em mercados que até agora se mostram de difícil rentabilização; serviços de valor agregado que ajudam a reduzir o risco dos clientes, como dispositivos conectados dentro das casas para detectar problemas de manutenção antes que causem danos; parcerias comerciais expandidas, dentro e fora do ecossistema de seguros, para criar ofertas mais personalizadas para os consumidores; e a monetização de ativos como dados, plataformas e algoritmos.

 

Outros US$ 198 bilhões em novas receitas representam a mudança potencial em participação de mercado dentro das mesmas cinco áreas principais, favorecendo seguradoras que adotam a transformação em troca de concorrentes menos responsivos.

 

De acordo com o estudo, a inovação e a adaptação às mudanças nas necessidades dos clientes exigirão das seguradoras o desenvolvimento de bancos de talentos mais fluidos, agilização da infraestrutura já existente, uso de dados e analytics para personalizar seus serviços de forma mais efetiva e a criação de uma equipe de liderança forte e de uma cultura organizacional aberta a novas ideias e abordagens.

 

“A indústria de seguros, tal como a conhecemos hoje, está à beira de um ambiente de negócios totalmente novo”, diz Hugo Assis, líder da prática de Seguros na Accenture para América Latina. “Separar-se da manada e capturar novas oportunidades de receita exige uma mudança na visão de negócios – do foco no produto para o foco no cliente; de modelos operacionais rígidos para modelos mais fluidos e ágeis que respondam rapidamente às preferências dos clientes; e de atuar sozinho no mercado para parcerias com insurtechs e gigantes tecnológicos que podem ajudar na exploração de novos segmentos de clientes e no fortalecimento de suas marcas”.

 

O estudo recomenda uma série de passos que as seguradoras podem tomar para ampliar suas oportunidades de crescimento. Dentre esses passos estão o desenvolvimento de uma estratégia digital que abranja novos modelos e tecnologias para a empresa como um todo – incluindo inteligência artificial, blockchain, contratos inteligentes e a internet das coisas (IoT) – para que possa oferecer serviços mais personalizados e rápidos, além de tirar o máximo proveito das informações de seus clientes, o seu bem mais precioso, para maior customização de suas ofertas.

 

Além disso, o estudo identifica cinco áreas – ligadas a Seguros Gerais, Vida & Acidentes e Mercado de Médias Empresas – para crescimento de receitas nas quais as seguradoras de seguros poderiam lançar novos produtos e serviços ou aumentar o alcance do seu portfólio atual.

 

Maneiras novas e mais eficientes de mirar segmentos de mercado difíceis de alcançar. Com a proliferação dos novos canais (online e celular) e tecnologias (analytics e geolocalização), as seguradoras podem acessar segmentos de difícil alcance, como microsseguros ou emissão imediata de seguros de vida, para aumentar a sua participação no mercado de forma eficiente. Isso poderia gerar US$ 144 bilhões em novas receitas.

 

Oportunidades para novos riscos. As seguradoras devem desenvolver novas ofertas para riscos emergentes, como seguros para ataques cibernéticos e novas exposições por conta do surgimento dos veículos autônomos. Isso poderia gerar US$ 111 bilhões em novas receitas.

 

Funções intermediárias e ecossistemas não tradicionais. As relações com as insurtechs e empresas de outros setores podem oferecer às seguradoras a oportunidade de se engajarem com os clientes de forma diferente e descobrir novas fontes de valor. Isso inclui a entrada das seguradoras em ecossistemas existentes e operados por plataformas online como Google, Amazon, Facebook e Apple para que possam se conectar com clientes que já usam essas plataformas, incluindo os assistentes virtuais. Esta abordagem poderia gerar US$ 80 bilhões em novas receitas. De acordo com o estudo, três quartos (76%) das novas receitas nas linhas de seguros gerais e acidentes provavelmente virão desses relacionamentos pouco tradicionais.

 

Monetização de plataformas e modelos de dados. As seguradoras podem oferecer seus ativos – dados, análises de clientes, plataformas e modelos de serviços, algoritmos de riscos, etc. – para parceiros que poderiam se beneficiar com eles. Isso poderia gerar US$ 28 bilhões em novas receitas.

 

Serviços de valor agregado. As seguradoras devem focar os serviços personalizados que ajudam a reduzir os riscos do cliente, como o uso de wearables que ajudam pessoas idosas a ficarem em casa por mais tempo, além da venda e gestão de dispositivos conectados para o lar. Isso poderia gerar US$ 12 bilhões em novas receitas.

 

“A manutenção do padrão atual de negócios não é sustentável”, afirma Assis. “Os lucros e receitas das seguradoras estão sendo pressionados pelo crescimento das insurtechs e da presença cada vez maior de empresas de tecnologia com fortes relacionamentos personalizados com seus clientes. A inovação – para além de agregadores e distribuidores on-line – precisa ser uma prioridade para o setor. As operadoras que fizerem as mudanças certas nos seus negócios, compreenderem seus clientes e responderem rapidamente e sem medo às suas demandas com ofertas relevantes e inovadoras terão maiores possibilidades de aumentar sua participação de mercado e capitalizar com as oportunidades emergentes”.

 

Sobre a Pesquisa
 

A Accenture Research, em conjunto com uma equipe de analistas de seguros e especialistas de mercado, conduziu um mapeamento intensivo de mercado em nove importantes mercados (os EUA, o Reino Unido, Alemanha, Espanha, França, Itália, Japão, China e Austrália) e identificou ao todo 23 alavancas de crescimento futuro, agrupadas nas cinco categorias descritas pelo estudo. Cada equipe analisou o impacto futuro dessas alavancas de crescimento usando uma metodologia comum que analisa cenários conservadores, moderados e agressivo e informações obtidas de seus clientes. Suas previsões – incluindo estimativas de mudanças futuras em participação de mercado – foram agregadas em dados regionais e globais.

 

Please reload

PHOTO-2019-01-18-09-51-42.jpg
Posts Em Destaque

Aconseg-RJ manifesta pesar pelo falecimento de Gumercindo Rocha Filho, presidente do IBRACOR

09/12/2019

1/10
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload