AconsegRJ_BannerG_970x150.jpg

Resgates dos planos de previdência aberta aumentam quase 30% em abril


A queda da taxa básica de juros (Selic) para 6,5% e a lenta recuperação econômica trouxeram uma retirada total superior em R$ 504,1 milhões à registrada no mesmo período do ano passado


Com a queda da taxa básica de juros (Selic) e a lenta recuperação econômica, os resgates dos planos de previdência aberta subiram 27,2% em abril ante igual período de 2017. As expectativas para o segundo semestre, porém, são positivas para o segmento.


Os últimos dados da Superintendência de Seguros Privados (Susep) apontam que os resgates do Plano Gerador de Benefício Livre (PGBL), do Vida Gerador de Benefício Livre (VGBL) e dos planos de previdência tradicional somaram mais de R$ 2,356 bilhões em abril, volume R$ 504,1 milhões superior ao registrado em igual mês de 2017 (R$ 1,852 bilhão).


“Grande parte dos clientes de previdência resistiram bastante nos planos durante a recessão, mas chegou um momento em que, com a lenta recuperação econômica, muitos ainda precisam pagar suas contas e diminuir alavancagem”, explica o vice-presidente de investimentos, vida e previdência da SulAmérica, Marcelo Mello.


O executivo comenta ainda que com a queda da Selic para o atual patamar de 6,5% e a consequente migração dos fundos para carteiras mais diversificadas, grande parte da preocupação das seguradoras e das assets independentes está em fazer a chamada “venda consultiva”.


“Já temos um movimento mais significativo para multimercados, que têm uma estratégia mais sofisticada e, por isso, é importante a dinâmica de entender o perfil do investidor para fazer a venda. O cliente precisa estar atento e buscando um produto que compense a Selic”, complementa Mello.


Nessa linha, segundo a Associação Brasileira das Entidades de Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima) apontam que a maior força de crescimento dos fundos origina principalmente das carteiras de ações e de multimercados.


Só em abril, enquanto o patrimônio líquido dos planos de renda fixa subiu 13,2% em relação ao mesmo período de 2017, de R$ 620,8 bilhões para R$ 703,2 bilhões, as carteiras de ações subiram 44,8% (de R$ 4,7 bilhões para R$ 6,7 bilhões) e os multimercados avançaram 73,4% (de R$ 23,8 bilhões para R$ 41,4 bilhões) na mesma base de comparação.


De acordo com o diretor de previdência da Icatu Seguros, Felipe Bottino, parte do desafio é mostrar que ainda que haja volatilidade frente os cenários domésticos e internacionais, o panorama deve ser visto no longo prazo.


“Em PGBL, por exemplo, as tabelas são regressivas e os horizontes são, em média, de dez anos. É importante que o investidor entenda que, embora tenhamos um ano de volatilidade pela frente, a recomendação para os longos prazos não mudam”, acrescenta Bottino.


Fundos de pensão


Do lado da previdência complementar fechada – planos coletivos e sem fins lucrativos voltados para oferta por parte das empresas aos seus funcionários –, o desafio de diversificação também se faz presente.


“Não dá mais para pensar apenas em renda fixa, temos tentado trabalhar com um portfolio mais diversificado a fim de se obter uma maior rentabilidade aos planos”, comenta o diretor de fundos de pensão da Icatu, Sérgio Egídio.


Ele reforça, ainda, a necessidade de conhecimento do perfil, principalmente ante a perspectiva de maior demanda que as atuais e futuras discussões sobre a reforma da Previdência podem trazer ao segmento.


“Já temos uma busca maior pelo produto no geral e isso é uma sinalização de que as pessoas começam a pensar que, com déficit da previdência social, há uma necessidade de pensar em complemento futuro. Isso ainda deve crescer”, conclui Egídio, da Icatu.


Mapa do Site

Facebook

Notícias

Acompanhe nossa página no Facebook!

ACONSEG-RJ - Associação das Empresas de Assessoria e Consultoria de Seguros do Rio de Janeiro

Rua do Rosário, 61 | sala 202/203 | Centro, Rio de Janeiro, RJ | Cep: 20041-003

Desenvolvido por: